Impacto, relevência e inovação do Openredu

As políticas públicas de investimento em tecnologias para modernizar as práticas de ensino-aprendizagem no nível da Educação Básica e até o Ensino Médio não têm logrado efeitos positivos e isso se repete há mais de 15 anos. As comunidades nacionais de Informática Educativa e Educação reconhecem que o pequeno impacto é devido a lacunas nas formações inicial e continuada de professores.

O programa Openredu visa gerar impacto especificamente nessa cultura pela adesão de professores à comunidade de um software livre que foi, por outro lado, projeto considerando as características de suas condições reais de trabalho. Considerando que parte da disseminação prevista pelo projeto ocorrerá de forma on line, esperamos atingir um número bem maior que o previsto em nossas capacitações presenciais.

A inovação ocorre em interação com a pesquisa associada, mas muito vem da ações de extensão na medida que o produto irá evoluir em interação com os profissionais que se beneficiam dele. A transferência ocorre pela formação dos professores, mas em grande parte pelas ações de gestão da comunidade de software livre.

A entrega do produto sob licença livre é uma ação muito rara de acontecer partindo de atores e centros universitários de universidades federais. Portanto, trata-se de uma transferência de conhecimento consistente feita pela entrega de um software pronto para o uso e que integra grandes esforços de pesquisa e que evoluiu em seu modelo conceitual pela interação com o público beneficiado via ação de extensão. A relação bilateral é contemplada na medida que os público de professores participa ativamente da comunidade do Openredu sugerindo melhorias e orientando na evolução para que o software seja a cada evolução mais aderente à realidade do ensino em escolas públicas no Brasil.

Considerando que temos aproximadamente 6 milhões de professores no Brasil, o campo para ampliação das ações desse programa é muito grande. Uma das formas de transferência já ocorre na medida que já produzimos materiais para ensinar o professor a usar o Openredu em sua prática como no livro “Educar com o Redu”, editado pela UFPE e distribuído gratuitamente (veja a página do Livro).

Com relação a formulação e implementação de políticas públicas, destacamos que o governo federal já investe há alguns anos na promoção da adoção de software livres na educação básica ao mesmo tempo que promove o uso de recursos educacionais abertos como ocorre via o Portal do Professor do MEC. Essas políticas só tendem a se ampliar e o Openredu é um software de muito fácil adoção e de impacto muito grande para a transformação da prática docente e está totalmente alinhado com as políticas públicas relacionadas ao uso de tecnologias na Educação Básica e poderá ser muito útil.

Devemos considerar que antes da abertura do código, o Openredu ja tinha mais de 32.000 usuários professores e alunos de escolas públicas. Os resultados de avaliações do Openredu são amplamente divulgados. O Openredu é concebido em estreita colaboração com o grupo de pesquisa Ciências Cognitivas e Tecnologia Educacional: http://www.cin.ufpe.br/~ccte/. Alunos de mestrado e doutorado desse grupo realizam pesquisas envolvendo o Openredu. O temas vão de gamificação à análise de dados de colaboração, passando uma uma ampla gama de tópicos atuais de pesquisa. As teses, dissertações, monografias e artigos sobre o Openredu estão disponíveis em http://pt.scribd.com/ccte_ufpe.

Os primeiros estudos ajudaram a delinear as primeiras funcionalidades do ambiente de aprendizagem. Esse primeiro estudo versava sobre a habilidade de autorregulação da aprendizagem:

MELO, Cássio de Albuquerque. Scaffolding of self-regulated learning in social networking. 2010. 132f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação)–Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. http://goo.gl/pJcxQM

As referências correspondem a estudos que permitiram conceber, evoluir e avaliar o uso do Openredu ao longo dos anos. Alguns estudos foram realizados com o Openredu em operação:

LIMA, Luiz Claudeivan Cruz. Análise das práticas docentes de planejamento e mediação em redes sociais no ensino médio. 2011. 132f. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação)–Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. http://goo.gl/mC41L

de ABREU, João Alberto Brito. Análise das práticas de aprendizagem colaborativas em Redes Sociais virtuais no ensino médio. 2011. 132f. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação)–Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. http://goo.gl/1aUep

de SOUZA, Flávia Veloso. Estratégias de autorregulação de aprendizagem mediado por ferramentas de schedulling em uma plataforma social educacional. 2012. 132f. Tese (Doutorado em Ciência da Computação)–Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. http://goo.gl/uhik3

BEZERRA JR., Elias Vidal. Ensino de Programação Orientada a Objeto mediado por Ambiente Virtual de Ensino. 2011. 132f. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação)–Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. http://goo.gl/qmt1tm

Todos esses documentos são importantes instrumentos de construção de sua credibilidade e atestam que a sua adoção podem efetivamente promover melhorias no ensino no Brasil. Vemos uma integração inédita entre Pesquisa, Ensino e Extensão com este programa na área de Ciência da Computação na UFPE, e com poucos similares pelo Brasil.

Compartilhe